Ocorreu um erro neste gadget

sábado, dezembro 31, 2011

Faz de conta... que amanhã é hoje.

Aquelas coisas que eu te disse que faria amanhã Aquela história antiga, guardada pra um depois Todas as coisas bonitas, ou tristes, ou frias, ou mesmo vazias Que eu deixei pra outro dia... Faz de conta que amanhã é hoje Eu vou fazer tudo que prometi antes Eu vou pegar os sonhos, realizá-los hoje Desfazer-me das dúvidas, e criar algo novo hoje Amanhã hoje já vai ter sido ontem E não vai importar mais o que eu não fiz Só as coisas que deixei para um outro dia. Então faz de conta que amanhã é hoje. E realiza tudo o que é prioridade... E deixa o ano que vem pra amanhã de verdade. Nota: pior poema de fim de ano de todos. Bom 2012!

segunda-feira, outubro 17, 2011

Na verdade, a mesma coisa que prova que somos sãos é a que prova que somos loucos. Seria estranho dizer que você é normal Quando você já é... E a partir do momento que você se pergunta, começa a se questionar... Se as coisas que você faz, se o modo que você vive É realmente normal O que é normal? É bom ser normal? E é nesse ponto que a sanidade termina, No qual eu resolvi que normal não é bom suficiente E que loucura é melhor que razão.

segunda-feira, setembro 12, 2011

Das coisas que eu nunca publiquei.

20/10/09
É frustrante, mas a chuva sempre cai quando você não está preparado.
19/05/10
A moça me perguntou se eu estava bem, e eu estava
não senti aparentemente nada.
30/06/10
É tudo pedaço. Pedaço de histórias pra boi dormir. Picota todas elas e põe o lixo na rua.
06/07/10
Não dê rosas a alguém sem intenção de algo a mais...
08/07/10
Eu tenho medo do que possa vir
Porque é algo que não ouso conhecer...
08/08/10
Qual é a chave de tudo que você escreve?
12/08/10
Queria ver além da máscara no rosto das pessoas;
Queria enxergar a verdade.
18/08/10
E é tão melhor que qualquer outra coisa
Que eu não precisaria de mais nada pra existir.
23/08/10
Talvez algumas vezes eu me lembre
Da inútil perfeição que eu fingia ser
30/08/10
Pedaços de boas lembranças, pros fracos de memória curta, assim como eu...
13/09/10
Eu te amo é algo que precisa ser dito,
mesmo estando claro nos meus olhos
17/09/10
Hoje eu tenho medo de tudo que não seja recordação
29/09/10
Quem são as pessoas das quais você não abriria mão de lutar?
Elas lutariam por você também?
02/11/10
U're not invited to live here.
04/11/10
Um metro e sessenta e três de falta de compreensão própria.
11/11/10
Não me sinto bem, não quero me sentir melhor.
14/12/10
A tarde cinza, fria, irradia poesia.
25/12/10
The most wonderful day of the year.
07/01/11
Na verdade, uma música tem o poder que você coloca nela.
--
E o seu sorriso poderia curar todas as dores do mundo se você quisesse.
09/01/11
Aquela pessoa que eu enxerguei no espelho noite passada, ela mesma, mandou lhe dizer
18/01/11
Todas as pessoas tem um monstro dentro de si
21/03/11
Eu vou estar aqui... eu lhe juro
23/03/11
Dizer que vou mudar agora, faria você acreditar?
08/08/11
Quantas notas mortas num instrumento esquecido eu dediquei a você, sem querer.

Rewind - Goldspot

Estou pedindo para você ficar,
as palavras estão finalmente aqui
Você faria de novo?
você faria tudo isso de novo?

sexta-feira, abril 01, 2011

E sorrateiramente, despertei. Do sono inconstante ao qual havia me submetido, e refleti. Sim, garotas de quase vinte anos também sonham. Sonham tanto que até se esquecem da realidade... Amanheci. Vi o sol nascer na minha janela, joguei um beijo pras nuvens tão bem colocadas no céu num dia de outono. Poesias que eu nunca li, resolvi me entregar à elas. E as cores todas desse dia... Tantas... Tantos sonhos que eu nunca ousei sonhar... Viajei, mergulhei em pensamentos tão profundos, que se confundem nessa maré de espera e de vazio. E tudo mudou de cor por um dia. E, no dia seguinte, tudo começou sem cor uma outra vez.

terça-feira, março 15, 2011

I'll never be your cornerstone...

Amor, hoje é terça feira... e chove lá fora.
Lembra dos banhos de chuva que a gente tomava sem querer nos nossos encontros?
Engraçado eu me lembrar disso agora, num dia tão sem graça.
Tão sem graça...

sexta-feira, janeiro 07, 2011

自杀

Quando a moça da janela viu que não havia mais ninguém na rua, decidiu sair para uma caminhada noturna. Não era tão tarde, mas com o frio que fazia provavelmente ninguém iria sair de casa. Mas ela precisava. Ela tinha que ir até onde ser coração mandava. Não tinha mais jeito.
Se ela fosse esperta o bastante, desistia. Mas ela não era. Ela tinha que se livrar da dor pulsante no seu peito.
A areia era fria, a água mais fria ainda. A cada passo mais próxima... Era a única maneira de fugir. Escapar de todas as coisas ruins dentro da sua mente. E ela ia como se não houvesse outra maneira: ela entregaria seu corpo e sua alma ao mar.
A água batia em sua cintura: era paralizante. E o calor das lágrimas que caíam aquecia apenas por um instante. Ela pensava em tudo, e não parava de seguir em frente. Já não lhe dava mais pé, e ela tornava a ir mais longe.
As luzes da cidade vistas do mar eram lindas, mas aquela noite não precisava, com a força da luz da lua.
De onde ela estava, nem se ela gritasse, alguém a ouviria, então ela fechou os olhos por um momento... pensou em tudo o que aconteceu e , de repente, ela pensou em desistir, tentou com todas as suas forças nadar... mas já estava muito longe, e o frio congelava suas pernas. Então não havia mais saída.
Ele foi engenhoso, com ondas bruscas, levou o corpo dela. Levou pra dentro dele, o mais profundo. De onde ela jamais pôde sair.

quarta-feira, dezembro 29, 2010

2011

Doze meses se passaram.
Poderia-se dizer longos, se eles não estivessem voado.
Quantas coisas aconteceram esse ano, que simplesmente não estavam nos planos?
Mas a vida não existe para ser programada.
Quais foram as melhores coisas desse ano?
Talvez você tenha encontrado o amor da sua vida,
Talvez você tenha passado no vestibular,
mas talvez você não tenha.
Talvez você tenha se tornado mais sensível quanto as outras pessoas...
talvez você tenha feito novos amigos,
talvez você tenha aprendido muito sobre o que é a amizade, realmente.
Mas talvez você também não tenha.
E que venha o novo ano.
Talvez com novas esperanças, com sonhos
Ou talvez com mais conformações
Não adianta imaginar que será diferente, são só dias repetidos em semanas diferentes.
O que importa é o que você vai fazer com eles
E isso, é por sua conta.
Have fun!

quinta-feira, dezembro 09, 2010

My signal fire.

Ele pode eliminar minhas incertezas com um olhar. Ele faz isso todos os dias, mesmo que ele não perceba. Me apavora a idéia de não ter abrigo dentro dos olhos dele.
Ele sabe quando eu não estou tão bem. Se preocupa e perde noites de sono conversando comigo, pra me fazer dormir. Ele diz que gosta do som da minha voz: eu poderia cantarolar nossa canção de amor até que ele dormisse em meu colo, se assim ele quisesse.
Ele sabe dos meus medos. Me abraça, diz que nunca vai me magoar. E é tudo que uma garota apaixonada precisa ouvir.
Ele me faz sentir mais forte. Mas quanto mais forte eu me sinto, mais frágil eu gosto de me sentir, pra que ele me proteja.
Ele tem todas as qualidades e defeitos de qualquer outro homem, mas foi ele quando pegou a minha mão, alisou meus cabelos, me deu um frio na barriga. É o beijo dele que dilacera meu coração. É o toque das mãos dele que fazem tudo parecer mais fácil. Ele é único. Ele é meu presente. E é com ele que eu planejo construir um futuro.

quinta-feira, novembro 25, 2010

Teria eu que olhar nos seus olhos mais uma vez. Respirar fundo, tomar novo fôlego, e lutar novamente contra essa explosão de pesadelos mal resolvidos. Teria que te dizer tudo o que eu sinto, que ficou entalado na garganta. Todas as coisas que eu sempre quis dizer a você, mas eu era fraca. Mas eu tive pena. Mas eu tive medo. Quisera eu ser um pouco mais parecida com você, e simplesmente agir como se fosse natural. Queria não me sentir incomodada algumas noites, não perder o sono pensando nisso. Queria não sentir ódio, não sentir medo. Queria ter dito a você que eu não merecia isso. Queria que você fosse me ouvir, se eu dissesse. Mas eu sei que isso nunca vai acontecer. Então eu espero só não precisar cruzar o seu caminho, nunca mais.